Brasão

> Vice Reitoria Acadêmica > Núcleo de Memória > Solar Grandjean de Montigny > Exposições 2000 >

Exposição
"Telescópio e Sua Sombra" "O Telescópio e Sua Sombra", 1999
Madeira - 44 x 22 x 10 cm e 17 x 20 x 18 cm

"P a s s a g e n s"

Inauguração:
sábado, 25 de março de 2000 às 17:00hs

Período:
25 de março a 28 de abril de 2000

Horário:
2a a 6a das 10 às 19hs

Solar Grandjean de Montigny
Museu Universitário
Rua Marquês de São Vicente, 225 - Gávea | RJ
Telefone: 21 3527-1435
Tel/fax: 21 3527-1434
e-mail: solargm@puc-rio.br
www.puc-rio.br/sobrepuc/depto/solar

Entrada Franca

Voltar

"Caixa" "Caixa" , 1999
Madeira - dimensões variadas

A artista plástica carioca Iracema Barbosa inaugura, sábado, 25 de março, de 17 às 22 horas, no Solar Grandjean de Montigny, sua terceira individual no Rio, intitulada "Passagens". A mostra, que ocupa os dois andares do prédio, dá início à temporada 2000 da instituição.

Pintora colorista, Iracema Barbosa mostra, além de duas séries de pinturas, um conjunto de esculturas de madeira natural, que marca uma radicalidade no seu percurso. A sala redonda do Solar será ocupada por uma instalação, outra expressão inédita no percurso da artista.

Iniciada há dois anos, "Caixas" é uma série de módulos de cedro e mogno sem pintura. São cerca de 40, sem fundo, de dimensões diversas, empilhadas no espaço, formando tótens. O olhar do observador atravessa os elementos e os espaços vazados são passagens para o olhar do espectador e para a luz-ambiente.

"Caixas coloridas", apesar do título são pinturas. Aí a artista usa cores consideradas "proibidas" como o verde e o azul, presentes na natureza, mais o preto e o branco. São 12 pequenos quadros de 40 x 30 cm e 30 x 30 cm, em que o plano da tela está dividido em linhas verticais e horizontais.

A segunda série de pinturas, "Pequenos gestos" é conseqüência das caixas coloridas, em cinco formatos combinatórios, que variam de 160 a 20 cm: o maior tem 160 x 80 cm e o menor, 20 x 80 cm, instalados lado a lado. Em tinta a óleo sobre tela, Iracema usa as mãos para pintar, eliminando o pincel. Daí o título "pequenos gestos". As telas são sempre quadrados e retângulos, cada uma pintada de uma só cor. A paleta é inspirada no quadro de Matisse "Menina com gato": rosa, verde, amarelo, preto, vermelho, azul ultramar. O laranja entra por conta da artista.

Na sala redonda do Solar, está a instalação - uma teia de linha forma o teto; desta teia pendem bandeiras de tecido branco diáfano, que vão redefinir o espaço, marcando outros limites, propondo novas passagens. Este trabalho se refere diretamente aos recortes que as caixas têm e a questão da passagem da luz.

"Caixas 11 e 12" "Caixas 11 e 12", 1999
Madeira - 40 x 15 x 22cm e 40 x 8 x 22cm
"Caixas Coloridas" "Caixas Coloridas", 1999-2000
Óleo sobre tela - 30 x 30 cm e 45 x 30 cm

Mestranda em História Social da Cultura (PUC-RIO), sob orientação do crítico de arte Ronaldo Brito, a história de Iracema Barbosa com a forma vem desde a infância, quando estudou balé clássico. Não a interessava o drama de Giselle, mas "o desenho que o corpo pode fazer no espaços e as descobertas do olhar em posição de quase desiquilíbrio", conta ela. Acabou escolhendo cursar Geografia na PUC-RIO e mais especificamente Geomorfologia - estudo do porquê as formas da terra são como as vemos hoje. Fez pós-graduação na UFRJ, deu aula na PUC-RIO. Porém, seu interesse maior não era nos fenômenos físicos em si, mas na sua configuração, na découpage natural. Começou a trabalhar com cinema em meados dos anos 80, como assistente de direção de curtas premiados. Ao mesmo tempo, freqüentava cursos da Escola de Artes Visuais do Parque Lage, até 1991. Foi assistente de ateliê de Aluisio Carvão durante dois anos, 89/90. Em 97, voltou à PUC para fazer o curso de História da Arte Moderna e de Arte Contemporânea, no Depto. de História e, no ano seguinte, iniciou a pós-graduação em História da Arte e Arquitetura no Brasil.

Suas duas individuais anteriores foram na Casa França-Brasil (97) e no Centro Cultural Candido Mendes-Ipanema (92). Participou, entre outras, das coletivas Manet Monet, no Jardim Botânico (97), Estranhos frutos do parque, Parque Lage (95), Sechs aus Rio, na Maerz Galerie, em Linz, Áustria.

"Passagens", com texto de apresentação de João Masao Kamita (crítico de arte e professor do programa de História da Cultura PUC-RIO), está aberta ao público até 28 de abril, de segunda a sexta, das 10 às 19 horas. Entrada franca.


Convite da exposição "Goeldi Ilustrador"Clique na imagem para ampliar Convite da exposição "Goeldi Ilustrador"Clique na imagem para ampliar Convite da exposição "Goeldi Ilustrador"Clique na imagem para ampliar Convite da exposição "Goeldi Ilustrador"Clique na imagem para ampliar

Voltar